Cresol Sarandi
Empório Colonial
Casa Valoá
Grossi Combustiveis
  • Cresol Sarandi
  • Casa Valoá
  • Grossi Combustiveis
  • Empório Colonial
  • Home
  • Entretenimento
  • Curiosidades

Combate ao fake news: Filósofo Fabiano de Abreu dá dicas de como verificar a veracidade de uma notícia no período eleitoral

 

fakenews

Quase dois anos após Donald Trump vencer as eleições para presidência dos Estados Unidos, o impacto das fake news na eleição do republicano ainda repercute e é estudada por cientistas políticos e pesquisadores especializados em redes sociais. Mas afinal: como combater as notícias falsas neste período eleitoral em que vive o povo brasileiro?

O filósofo e pesquisador Fabiano de Abreu diz que é primordial avaliar o histórico dos candidatos: "Se o candidato teve algum histórico político ou algum cargo, é preciso procurar saber o que ele fez naquela gestão. Não é difícil descobrir. Se ele foi vereador, prefeito, nos próprios sites governamentais existem informações. Ou a pessoa pode buscar notícias de quando ele exerceu a função e ver o que falavam dele na época, se criticavam, se falavam bem, e assim avaliar como foi o período do mandato".

Analisar a declaração de renda é uma alternativa para escolher um candidato. "Avalio bastante o que eles estão declarando. Qualifico, por exemplo, por que uma pessoa avalia uma casa tão barata. Como o político pode ter um patamar elevado, o trabalho que tem e ainda assim ter uma declaração tão baixa do seu imóvel? Ou declara tão baixo o imóvel ou talvez a declaração total não condiz com o preço do imóvel que declarou. Fico percebendo a jogada da própria declaração pois muitos querem se passar por coitado. E não quer dizer que eles vão ser melhores caso se passem por coitados, além disso, como confiar em quem burla os impostos com baixa declaração?"

Para Fabiano de Abreu: "As pessoas devem avaliar os candidatos não por serem ricos ou pobres, e sim pelos seus atos e pelos seus planos de governo plausíveis, com a realidade do país, não aceitando ideias absurdas que não poderão serem cumpridas. Se o candidato já mostra para mim uma falsidade dentro de sua realidade já é algo que desconfio?.

A outra questão que o filósofo ressalta é a importância de ver as propostas que os candidatos têm para oferecer pois é preciso ver o que é primordial para o país: "Precisamos saber que o presidente da República não exerce todas as funções. Existem os ministros que precisam fazer o trabalho deles. Então não podemos julgar o candidato e afirmar que ele não entende disso ou daquilo. Se ele não entende, vai procurar alguém que entende de determinado assunto. O principal são as respostas que ele tem a dar e o que ele precisa para mudar o Brasil".

1 - Não acreditar em nada que colocarem na mídia social, averiguar nos sites de notícias(sites relevantes)

2 - Usar aplicativos e sites que ajudam o eleitor a investigar e avaliar cada candidato

3 - Veja se o candidato, caso já tenha tido cargo político, em sua gestão se mudou alguma coisa, veja se em sua gestão teve corrupção ou se teve corrupção descoberta pós gestão da época de sua gestão

4 - Opte por um candidato que seja ficha limpa. Cuidado com os acusados, não só com os condenados. Dificilmente alguém é acusado a toa.

5 - Pesquise seu histórico pessoal e político.

6 - Não espere que seu candidato saiba de todos os setores, o governo é setorizado, há ministros para isso.

7 - Saiba e entenda suas propostas.

8 - Observe os gastos na campanha, os que mais gastam, mais temos que desconfiar.

9 - Não acredite em candidato que promete demais, promessas não dependem dele para serem cumpridas.

10 - Analise o candidato que entenda os principais problemas do país.

Lembrem-se, na pior crise de nossa história, está em nossas mãos resolver, nós somos responsáveis por tudo isso, nós elegemos.

(Fonte: MF Press Global/ Vanessa Scarcella). 

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.