Cresol Sarandi
Casa Valoá
Grossi Combustiveis
Empório Colonial
  • Cresol Sarandi
  • Empório Colonial
  • Casa Valoá
  • Grossi Combustiveis
  • Hiper Mercado Wagner
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Taura Auto Peças
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Cotrisal
  • Restaurante 4 Ases
  • VS Gráfica Expressa
  • Salute
  • Pet Salutem
  • Sicredi
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Milani Corretora de Seguros
  • Bortoluzzi Odontologia
  • Clínica Estética Vitallitá
  • X & Cia
  • Xok's Sarandi
  • Nina Comunicação Visual
  • Casarotto Imóveis
  • Rembecker Estruturas Metálicas
  • Rômulo De Cezaro
  • Cesurg Sarandi
  • Laboratório Sarandi
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • Barbearia 84
  • Gostinho Della

PF faz Operação Efeito Dominó contra lavagem de dinheiro do tráfico

 

A Polícia Federal deflagrou (15) a Operação Efeito Dominó, um desdobramento da Operação Spectrum, iniciada em julho de 2017, que desarticulou uma estrutura estabelecida para o tráfico internacional de drogas.

Cerca de 90 policiais cumprem 26 ordens judiciais, sendo 18 de busca e apreensão, cinco de prisão preventiva e três de prisão temporária nos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco, Ceará, Paraíba, Mato Grosso do Sul e São Paulo, além do Distrito Federal.

Durante as investigações da Operação Spectrum, a PF desarticulou uma estrutura criminal criada visando o tráfico internacional de drogas. Esse esquema era comandado por Luiz Carlos da Rocha, mais conhecido como Cabeça Branco. Ele era tido como um dos maiores traficantes da América do Sul, tendo conexões em dezenas de outros países.

Doleiros

Por meio de nota, a PF informou hoje que as investigações demonstram “robustos indícios acerca do modus operandi [modo de operação] da organização criminosa, consistente na convergência de interesses das atividades ilícitas dos “clientes dos doleiros” investigados, pois de um lado havia a necessidade de disponibilidade de grande volume de reais em espécie para o pagamento de propinas e de outro, traficantes internacionais como Luiz Carlos da Rocha possuíam disponibilidade de recursos em moeda nacional e necessitavam de dólares para efetuar as transações internacionais com fornecedores de cocaína”.

Dois doleiros tinham atuação “concreta e direta” com o grupo criminoso. Ambos eram conhecidos desde a Operação Farol da Colina (caso Banestado) e na Lava Jato. De acordo com os investigadores, eles foram alvos de investigações pela mesma prática criminosa.

“Quanto ao operador financeiro (doleiro) já investigado da Operação Lava Jato, chama atenção o fato de ter retornando às suas atividades ilegais mesmo tendo firmado acordo de colaboração premiada com a Procuradoria Geral da República e posteriormente homologado pelo Supremo Tribunal Federal. A Procuradoria Geral da República e o Supremo Tribunal Federal serão comunicados sobre a prisão do réu colaborador para avaliação quanto à “quebra” do acordo firmado”, diz a nota da PF.

Com a operação de hoje, a PF pretende reunir informações complementares da prática dos crimes de lavagem de dinheiro, contra o Sistema Financeiro Nacional, organização criminosa e associação para o tráfico internacional de entorpecentes.

 

policial federal

 

Agência Brasil

 

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Vimesq
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Lancheria Grenal do Tainha
  • Confecções Helenice
  • Revista Spelho
  • Estação Fitness
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Eficaz

 feirao hoje