Palazzo Ambientes
Conffiare
Assembleia
Grossi Combustiveis
  • Grossi Combustiveis
  • Assembleia
  • Conffiare
  • Palazzo Ambientes
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Rembecker Estruturas Metálicas
  • Taura Auto Peças
  • Sicredi
  • Bortoluzzi Odontologia
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Gostinho Della
  • Barbearia 84
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • VS Gráfica Expressa
  • Boohler Serigrafia
  • Bruna Soares Fotografia
  • Casarotto Imóveis
  • Jack's Steak Club
  • Cresol
  • Hiper Mercado Wagner
  • Rômulo De Cezaro
  • Nina Comunicação Visual
  • Cotrisal
  • X & Cia
  • Lunna Pub Bar
  • Milani Corretora de Seguros
  • Cesurg Sarandi
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Laboratório Sarandi
  • Benno's Bar
  • Clínica Estética Vitallitá
  • Restaurante 4 Ases
  • Irmãos Ferronato

Julgamento do mensalão pode terminar nesta segunda

aaministros-stf-mensalão3Depois de mais de quatro meses, o julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão, pode terminar hoje (17) no Supremo Tribunal Federal (STF). O caso só será retomado se o ministro Celso de Mello confirmar presença. Ele se recupera de uma infecção nas vias respiratórias e ficou dois dias internado na semana passada.

A fase final do julgamento não terá a participação do ministro Gilmar Mendes, que está em missão oficial no exterior. O último dia de debates ocorreu há uma semana, quando o placar sobre a perda de mandato parlamentar estava empatado em 4 votos a 4. Está em jogo o futuro político dos deputados federais Pedro Henry (PP-MT), João Paulo Cunha (PT-SP) e Valdemar Costa Neto (PR-SP), todos condenados pelo STF.

Os ministros Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello defendem que a perda de mandato é imediata, e que a Câmara dos Deputados só precisa ratificar a decisão. Os ministros Ricardo Lewandowski, Rosa Weber, Antonio Dias Toffoli e Cármen Lúcia acreditam que a perda de mandato só pode ser definida por decisão interna do Legislativo.
 
Embora ainda não tenha votado formalmente, Mello já adiantou que deverá seguir o entendimento de Barbosa. Para o ministro, não é possível conciliar o exercício do cargo com condenações em regime fechado, o que autorizaria o STF a intervir.

Além da questão dos mandatos, o STF ainda terá que discutir as novas multas sugeridas por Lewandowski. O revisor do processo aumentou as multas propostas por ele anteriormente, alegando que era preciso adotar critérios mais objetivos. A maioria continua abaixo dos valores estipulados pelo plenário.

A questão da prisão imediata dos condenados só deverá ser discutida quando o Ministério Público Federal reforçar o pedido apresentado no início do julgamento. O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deverá protocolar nova petição quando tudo acabar. A questão poderá ser analisada por Barbosa individualmente ou pelo plenário.

A ideia é que não haja proclamação geral de decisões quando o julgamento acabar, pois os resultados foram anunciados de forma fatiada ao fim de cada capítulo e de cada pena. O ressarcimento dos valores desviados dos cofres públicos deve ser analisado apenas na fase de execução civil da decisão. Barbosa ainda não definiu se irá delegar a execução a um juiz ou se ele próprio se encarregará dessa etapa. O ministro pretende encerrar o julgamento o quanto antes e resolver questões residuais na fase dos recursos.  

A última sessão do ano do STF será quarta-feira (21). Geralmente, a sessão da tarde é deslocada para a manhã, com o julgamento de casos de pouca repercussão e a apresentação de balanço do ano judiciário.

Agência Brasil

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Eficaz
  • Lancheria Grenal do Tainha
  • Estação Fitness
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Vimesq
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Confecções Helenice
  • Revista Spelho