menu
Colunas

O dia em que virei escritor - Kerley Carvalhedo


Data de publicação: 1 de março de 2017
Coluna: Kerley Carvalhedo
Colunista: Kerley Carvalhedo




“Existe um só sucesso: ser capaz de viver a sua vida do seu próprio jeito”. Esta foi a frase dita por Christopher Moríey. 


“Arte não dá dinheiro!”, “Escrever não é um trabalho!”, “Você tem que conseguir um emprego estável”, foi tudo que ouvi antes de seguir meu caminho como escritor.  Quando eu ainda era adolescente minha mãe queria que eu fosse advogado, depois queria que eu fosse enfermeiro, e ao longo do ensino médio, ela foi me oferecendo outras opções que me identificasse e rendesse algum dinheiro futuramente. Mas quem me conhece sabe que eu não sou de seguir o protocolo. 



Lembro que próximo de terminar o colegial, meus colegas sabiam o curso que queriam fazer. Eu não. Alguns também estavam meio perdidos assim como eu, mas optaram por escolher um curso que estava na modinha. Não cedi à pressão da patrulha, fazendo o que eles queriam que eu fizesse e não o que eu queria fazer.


O que eu queria eu não sabia, mas o que eu não queria, definitivamente, eu sabia. Mesmo com medo, segui adiante. Mesmo com anseios de tudo dar errado, eu ouvi a minha própria voz. Decidi superar todos os meus medos e as minhas vergonhas. Decidi lutar pelos meus sonhos e objetivos. Em troca disso, o universo conspirou ao meu favor. Decidi não viver engaiolado, não tendo sempre que seguir padrões, não me encaixando em normas pré-determinadas, como se fôssemos todos iguais. Decidi percorrer meu próprio caminho, e, é claro que durante esse trajeto tive muitos obstáculos e desafios, mas segui.Aprendi a importância de não trilhar a mesma rota de todos, e viver padrões estabelecidos pela grande maioria. Aprendi, com o tempo, que é importante se sobressair num mundo onde todos parecem iguais. 


Sempre escrevi, desde criança. Escrever tornou-se uma necessidade, uma profissão, uma terapia. Pela minha saúde mental e pela minha felicidade resolvi buscar o que faz o meu coração ferver. Sei que abandonar um curso é a maior estupidez para muitos; é sonho de muita gente, mas não era meu sonho.  Jamais devemos ir por caminhos contrários ao nosso coração, pois, quando fazemos isso, deixamos de ser nós mesmos para sermos produtos das vontades alheias. 



Neste espaço lhes apresentarei textos sobre situações do cotidiano, cultura e comportamentos. Todas as quartas-feiras espero por você aqui.


A aventura está só começando…


Kerley Carvalhedo



O dia em que me virei escritor Kerley Carvalhedo 010317 O dia em que me virei escritor Kerley Carvalhedo 010317