menu
Colunas

Coisas do coração - Luciane Della Flora


Data de publicação: 20 de março de 2017
Coluna: Luciane Marangon Della Flora
Colunista: Luciane Marangon Della Flora



 


              O coração possui caminhos imprevisíveis e, por algum motivo, o de algumas pessoas parece gostar de sofrer. Infelizmente, na realidade moderna, é assim. Sem querer, quando sentimos a falta de algo, acabamos abrindo uma porta de entrada para os maiores enganos da vida. Assim foi e assim tem sido para tantas pessoas que se ferem.


            A recuperação de um coração ferido não é assim tão simples, uma vez que ela depende de um longo e silencioso processo de reconstrução. Curar feridas e acreditar novamente não são objetivos simples de serem alcançados, entretanto, são possíveis.


            E é por essa possibilidade que o ser humano, após uma de suas ilusões mundanas, passará por um período de sofrimento, que pode ser considerado um verdadeiro luto da alma. Passada a época de tristeza, geralmente, o coração resolve acreditar novamente. Se tiver sorte, encontrará algo capaz de acarinhar seus mais profundos sonhos. Porém, nem sempre é assim, já que nem todas as pessoas que encontramos ao longo do caminho fazem uso de algo que costumamos chamar de sinceridade.


Parece que ser traiçoeiro e brincar de fazer de conta estão na moda em vários quesitos. Tomemos como exemplo aquelas pessoas que são capazes de despertar o amor no outro, mesmo que não seja a principal necessidade de suas vidas a tal coisa chamada de amar.


            Tudo e todos se transformam com o passar do tempo e, talvez, nessa nossa época, muitos, embora tenham crescido, continuem imaturos demais, insensíveis e incapazes de valorizar aquilo que deveria ser mais caro e precioso, tal como aquele coração que, em algum momento, tiveram o trabalho de cativar.


            Assim, desiludido, o coração que tentou acreditar vai ficando em segundo plano e as lágrimas, provavelmente, voltarão para fazer-lhe uma longa visita. Estamos, por vezes, tão à frente de nosso tempo, entretanto, deixamos de aprender que certas coisas da vida não devem existir apenas como um segundo plano. O amor, com certeza, é uma delas.


            É preciso, portanto, que tenhamos mais cuidado com os corações que cativamos, pois podemos, mesmo que involuntariamente, destruí-los por completo e sabemos que essa nossa sociedade já está sentimentalmente volátil demais!


Luciane Della Flora



COISASDOCORACAO170317 COISASDOCORACAO170317