menu
Notícias / Agronegócio

Safra recorde de grãos é anunciada pela Emater/RS-Ascar

Safra recorde de grãos é anunciada pela Emater/RS-Ascar

Data de publicação: 11 de março de 2016
Hora: 09:27h



 


A Emater/RS-Ascar reavaliou as estimativas das produtividades esperadas e a área efetivamente plantada para a Safra de Verão 2015/2016 e a análise desses números mostrou surpresas positivas, apesar de prejuízos em casos pontuais, provocados por algumas inconstâncias climáticas em áreas localizadas. De acordo com o Informativo Conjuntural elaborado pela Instituição, caso se confirme estes números preliminares, o Estado poderá colher uma safra (produção) de grãos de verão praticamente igual à do ano passado, a maior obtida até hoje. O anúncio foi feito pelo presidente da Emater/RS, Clair Tomé Kuhn, na última terça-feira (08/03), durante café da manhã para a imprensa, realizado na Expodireto, que acontece em Não-Me-Toque até esta sexta-feira (11/03).


O destaque positivo fica com a cultura da soja, cuja área plantada aumentou em 3,92%, podendo o Estado alcançar 5,4 milhões de hectares plantados. Aliado à excelente produtividade média, estimada atualmente em 2.938 kg/ha, a produção projetada chega a 16 milhões de toneladas. Este número, se confirmado, colocará a atual safra de soja como a maior até hoje obtida no Estado, superando, inclusive, a do ano passado, quando, segundo o IBGE, foram obtidas 15,7 milhões de toneladas. Atualmente, 5% das lavouras de soja foram colhidas, 22% estão maduras e por colher, 72%, em enchimento de grãos, e 1% da área ainda está em floração.


Como muitos produtores migraram do milho para a soja, a área do milho foi reduzida em 12,94%. Apesar da irregularidade climática ocorrida, a produtividade desta safra (6.302 kg/ha), se confirmada, será 3,40% menor que a do ano passado, a maior até hoje alcançada no RS, e a produção recua 15,89%, podendo se esperar uma produção de 4,7 milhões de toneladas. Atualmente, 53% das lavouras de milho foram colhidas, 27% estão maduras e por colher, 18% estão em enchimento de grãos, 1% está em floração e 1%, em desenvolvimento vegetativo.


No feijão também foi confirmada a tendência de redução de área em relação à safra passada, ficando 2,94% menor. A produtividade, se confirmada (1.557 kg/ha), será uma das maiores até hoje alcançadas, possibilitando que, apesar da diminuição de área, a produção aumente em 7,07% em relação ao ano passado, alcançando 65 mil toneladas este ano. Apesar de problemas pontuais em decorrência do clima, regiões importantes como as regionais de Caxias, Passo Fundo e Erechim compensaram positivamente com produtividades médias próximas de 2 mil kg/ha.


No arroz, o levantamento confirmou a diminuição da área cultivada em relação à safra passada, que deverá ser de 5,62%, projetando um total de 1,064 milhão de ha. A produção também deverá ser 8,58% menor que a do ano passado, por conta da diminuição de 3,67% na produtividade, totalizando 7,934 milhões de toneladas. No momento, a cultura se encontra com 13% da área colhida, 30% das lavouras maduras e por colher e 38% em enchimento de grãos.


“Apesar dessa excelente produção, em algumas regiões produtoras foram registrados casos pontuais de perdas em decorrência de geadas tardias, chuvas intensas e deficiência hídrica, entre outros problemas climáticos”, analisa Kuhn, ao antecipar que os números apresentados não são definitivos e sofrerão alterações, pela quantidade de área a ser colhida, não significativas, mantendo a expectativa de uma boa safra.


Citros - Tem continuidade a colheita da bergamota Satsuma, fruta que abriu a colheita de cítricos no Vale do Caí no início de março. A bergamota Satsuma é de origem japonesa, com pouca acidez e sem sementes. Até o momento, 15% das frutas foram colhidas. Nesta época, a atividade mais intensa entre os citricultores é o raleio das frutinhas verdes das bergamotas das variedades Caí, Pareci e Montenegrina. Esta prática é fundamental para conferir qualidade às bergamotas, pois a retirada de parte das frutas verdes, no início do seu crescimento, permitirá às frutas um melhor desenvolvimento, atingindo um diâmetro maior e com melhor qualidade.


Pastagens - As últimas chuvas aliadas à alta insolação proporcionam boa disponibilidade forrageira das pastagens anuais e perenes cultivadas, bem como no campo natural, aumentando a produtividade. No entanto, pastagens cultivadas de verão, principalmente milheto e capim sudão, se aproximam do final do ciclo por estarem em fase de maturação, tornando-se mais fibrosas. Esta época é ideal para ser feito o diferimento no campo nativo, visando melhorar o banco de sementes para os próximos anos. Em regiões mais frias, começa o preparo do solo para implantação das pastagens cultivadas de inverno.


Piscicultura e pesca artesanal - A semana foi normal para a atividade no Estado, com alta taxa de renovação de água dos açudes. O clima foi de temperaturas altas, favoráveis ao metabolismo e desenvolvimento dos peixes. É importante salientar que a piscicultura é uma atividade complementar nas propriedades rurais, apesar dos excelentes resultados econômicos que pode gerar. Há procura por peixes, mas a oferta continua baixa, pois os produtores se preparam para as feiras do peixe vivo e comercialização direta nas propriedades, durante a Semana Santa, que acontece já na próxima semana.


Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar
Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues


DiárioRS


CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e  fique informado sobre as notícias da região.





colheita de soja 11 03 16 colheita de soja 11 03 16
colheita de soja 11 03 16
rodape diario novo 05 12 15



O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.