menu
Notícias / Agronegócio

Batata é a olerícola com maior área no RS

Batata, aipim, couve-brócolis, alface e cebola são as cinco principais olerícolas produzidas no Rio Grande do Sul em área cultivada.

Data de publicação: 27 de janeiro de 2021
Hora: 08:00h
Créditos: Jornalista Adriane Bertoglio Rodrigues
Fotos: Divulgação Emater/RS-Ascar de Ibiraiaras
Fonte: Assessoria de Imprensa da Emater/RS-Ascar



No Levantamento Olerícola Comercial do RS - 2020, lançado no final do ano passado, e que constitui meta prevista no Termo de Colaboração realizado com a Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), extensionistas da Emater/RS-Ascar registraram 51 espécies olerícolas cultivadas de forma comercial em 52.365 propriedades gaúchas, gerando um volume correspondente a 1.363.626,58 toneladas/ano. Do total de estabelecimentos, 5.860 produzem em ambiente protegido (em estufas ou sub túneis ou telas), ocupando uma área física de 2.646,40 hectares, com um volume produzido de 65.615,32 toneladas.

Toda essa produção é reflexo do incentivo da Emater/RS-Ascar na diversidade produtiva, garantindo renda e qualidade na alimentação para as famílias de agricultores e dos consumidores.

O Levantamento se dispõe a atualizar e disponibilizar informações, contribuindo na formulação e execução de políticas públicas voltadas às diversas cadeias produtivas envolvidas na produção de olerícolas no Estado.

“Importante destacar que, na coleta de informações, foram registrados dados de área, produção e unidades produtivas totais para cada cultura e município e, separadamente, a área, produção e unidades produtivas em ambiente protegido, também para cada cultura e município”, ressalta o gerente técnico da Emater/RS, Jaime Ries.

 

PRODUÇÕES E PRODUTIVIDADES

A cultura com maior área em hectare (15.458,70) no Estado é a batata (safra e safrinha), com 1.215 produtores, uma produtividade média de 24.696,31 kg/ha e uma produção de 381.772,78 toneladas.

O aipim é cultivado em 8.427,66 hectares, por 6.361 produtores. Sua produtividade média é de 15.137,32 kg/ha, gerando uma produção de 127.572,22 toneladas por ano no Estado.

As culturas couve e brócolis ocupam uma área de 6.563,9 hectares no RS. Cultivados por 3.849 produtores, alcançam por ano uma produção de 82.349,39 toneladas.

A alface é outra cultura muito cultivada no RS. Em uma área de 6.537,79 hectares, 3.826 produtores obtêm uma produção anual de 90.835,1 toneladas de alface, a partir de uma produtividade média de 13.893,85 kg/hectare.

O RS é o segundo estado maior produtor de cebola, ficando atrás apenas de Santa Catarina. Numa área de 4.663,08 hectares, 4.054 produtores cultivam 121.561,27 toneladas de cebola. No Estado, a média de produtividade na produção de cebolas é de 26.068,88 kg/hectare.

O milho verde é cultivado em 2.211,80 hectares no RS, por 1.270 produtores. A partir da produtividade média de 11.206,03 kg/hectares, a produção é de 24.785,50 toneladas por safra.

A batata-doce também é outra olerícola muito produzida no RS. Numa área de 3.978 hectares, 3.544 produtores garantem uma produção de 61.260,31 toneladas, obtidas a partir de uma produtividade média de 15.399,78 kg/hectare.

Muito consumida no Estado, a moranga Cabotiá é cultivada em 3.613,25 hectares, por 1.650 produtores. Com uma produtividade média de 11.403,29 kg de moranga Cabotiá por hectare, são produzidos por ano no RS 41.202,93 toneladas.

A cenoura no RS ocupa uma área de 2.652,14 hectares. Cultivada por 1.385 produtores e atingindo uma produtividade média de 33.171,65 kg/hectare, o Estado produz 87.975,86 toneladas de cenoura todos os anos.

Com uma área de 2.506,10 hectares no Estado, o repolho é produzido por 2.856 produtores, que atingem uma produção anual de 86.149,53 toneladas, obtidas a partir de uma produtividade média de 34.375,93 kg/hectare.

 






O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.