menu
Notícias / Agronegócio

Mulheres rurais são foco de debate virtual



Data de publicação: 28 de julho de 2021
Hora: 09:00h
Créditos: Marcela Buzatto
Fonte: Emater/RS-Ascar - Regional de Frederico Westphalen



O debate sobre questões relacionadas às mulheres rurais, especialmente os desafios impostos à classe no que se refere à geração de renda, comportamento e integração social em geral foi o foco do encontro virtual realizado na tarde desta terça-feira (27/07), transmitido pelas redes sociais da Novo Rural. O objetivo do debate foi ressaltar a importância desta classe, principalmente nesta semana que celebrou o Dia do Colono e Motorista (25/07) e o Dia do Agricultor (28/07).

O encontro foi promovido pela Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), através do Escritório Regional de Frederico Westphalen e da Novo Rural, com apoio da Sicredi. O tema “Mulher rural e a visão de mundo” norteou a conversa que contou com a participação da secretária Estadual da Agricultura, Silvana Covatti, da diretora técnica da Emater/RS, Luana Machado, o gerente regional de Frederico Westphalen, Luciano Schwerz, do professor e pesquisador da URI-FW, Claudionei Vicente Cassol, e das agricultoras Kátia Fritzen Seibel (de Nova Boa Vista/RS) e Andreia Trombetta (Caiçara/RS).

Ao longo do debate, conduzido pela editora chefe da Novo Rural, Gracieli Verde, os participantes puderam deixar suas impressões e reflexões acerca do tema “Mulher rural e a visão de mundo”. “Eu, como mulher, tenho uma visão sensível e muito responsável sobre o setor da agricultura e sei da importância da mulher nesse meio. Por essa razão, estamos batalhando por políticas públicas que envolvam a mulher, a geração de renda e o apoio ao público feminino. Sou testemunha da luta das mulheres na agricultura, de tudo o que conquistaram, mas também dos desafios que ainda são impostos a nós. Enquanto secretária da Agricultura, contem comigo”, enfatizou Silvana Covatti.

A diretora técnica da Emater/RS, Luana Machado, participou do debate trazendo sua visão e experiência enquanto profissional que ocupa um cargo de gestão na Instituição, destacando os desafios e oportunidades no que se referente à presença das mulheres na extensão rural e na agricultura.

O professor e pesquisador Claudionei Vicente Cassol trouxe para reflexão alguns aspectos importantes, apresentando sua experiência enquanto pesquisador do tema, salientando a importância do estudo de gênero, a evolução deste cenário e o que ainda pode ser feito para criar, especialmente no meio rural, um espaço de representatividade, de respeito e empoderamento.

As agricultoras Andréia Trombetta e Kátia Fritzen Seibel participaram do debate falando sobre a sua vivência na propriedade rural, como mulher agricultora que gerencia as atividades produtivas, a família, e as conquistas adquiridas até aqui. “Eu acho que ser agricultora em 2021 é você quebrar um ciclo de gerações, onde a mulher era sempre submissa ao homem, onde a propriedade era gerida pelo homem, as decisões eram tomadas por eles. Hoje não, agora eu e meu marido gerimos nossa empresa, que é nossa propriedade, tomamos decisões conjuntas. Ser agricultora hoje é isso, é mostrar que mulher tem direito, tem capacidade de fazer as mesmas coisas, de tocar a propriedade, na atividade que for, ela pode fazer. A mulher evolui, mas também o homem evoluiu. Meu marido me vê como uma sócia, me trata como uma sócia e ele sabe que nossos direitos são iguais. É por isso que o sucesso de uma propriedade acontece. Percebo que nossa geração veio para quebrar muitos paradigmas. E como mãe eu digo, a próxima geração será ainda melhor, porque estamos criando meninos e meninas que sabem suas capacidades e que irão respeitar ambos e isso tornará a agricultura ainda melhor no futuro”, falou a agricultora Andreia durante seu depoimento.

Para rever o debate, basta acessar: https://www.youtube.com/watch?v=ELJoBogPTZk.







O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.