Follow - Liv - G8 Pub
Cesurg Sarandi
Cresol Sarandi
Grossi Combustiveis
  • Cesurg Sarandi
  • Follow - Liv - G8 Pub
  • Cresol Sarandi
  • Grossi Combustiveis
  • Laboratório Sarandi
  • Taura Auto Peças
  • Rômulo De Cezaro
  • X & Cia
  • Bortoluzzi Odontologia
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Restaurante 4 Ases
  • Barbearia 84
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Milani Corretora de Seguros
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Rembecker Estruturas Metálicas
  • Fornari Advogados Associados
  • Barbearia Da Luz
  • Cotrisal
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • Clínica Estética Vitallitá
  • VS Gráfica Expressa
  • Casarotto Imóveis
  • Gostinho Della
  • Home
  • Cidades
  • Sarandi
  • Sarandi - Grupo de Casais Bom Pastor, casais em segunda união, fortalece volta á igreja

Siga nossa página

Sarandi - Grupo de Casais Bom Pastor, casais em segunda união, fortalece volta á igreja

Eles já são mais de 50 pessoas que integram o grupo mas mesmo com encontros mensais preservam a discrição nas atividades  de integração e religiosas, São os membros do Grupo Bom Pastor de Casais em segunda união. Hastimphilo Machado  Ademir Batistela falam sobre o grupo, retorno para a vida religiosa, preconceitos, discriminações e  aceitação pela igreja.

Ademir Batstela explica que o Papa João Paulo II  notou que igreja estava perdendo fieis, casais separados estavam sendo alijados das atividades da igreja ,  o Papa pediu para que a igreja convidasse casais em segunda união para voltar á vida religiosa e o primeiro grupo surgiu na França, aqui na região, foi em Passo Fundo criado o primeiro grupo,  e lá,completa Machado, participamos  de algumas palestras “ e nos  empolgamos”

Batistela revela qu m Sarandi são mais de 50 pessoas,que se reúnem duas vezes por mês, alguns grupos menores se  reúnem  em residências para estudar o evangelho e problemas comuns entre esses casais, “ um encontro bem legal, bem fraterno e nesses quatro anos algumas pessoas desistiram, não era aquilo que elas esperavam, nós que somos católicos, temos um ritual que é sagrado para nós, temos os batizados, crismas, primeira comunhão, casamos, e, depois, a gente  descasa e pensa que não precisa mais da igreja mas de repente aparece um filho e ele tem que ser batizado mas se se  eu estou fora da igreja ?, aí tenho que repensar algumas coisas, e, também  quando morre alguém da família e é preciso chamar o padre” diz Batistela, ele complementa , “ o bom pastor dá a vida por suas ovelhas , o mundo de hoje é bem diferente de 50 anos atrás e as pessoas casam e descasam, tanto que algumas nem casam mais na igreja , e agora a igreja, a partir do Papa João Paulo II está dando oportunidade de novo para essa pessoas  que querem voltar á igreja” completa.

Perguntado se pessoas que  não estão mais casadas mas vivem sozinhas podem ingressar nesse grupo Machado explica, “ temos em nosso grupo pessoas que nunca foram casadas  anteriormente mas estão hoje vivendo uma união  com uma pessoa que já foi casada, nosso grupo é um movimento para casais  que hoje tem uma união estável, não é para aquele namoradinho ou para aqueles que moram cada um na sua casa, é um movimento para famílias” disse Machado que acrescenta, “ há casos em que a segunda união dá mais certo que a primeira”.

Falando de dificuldades em frequentar a igreja enquanto estão separados Machado responde que  depois da separação “ a gente se sente as vezes rejeitado por ter rompido um dos sacramentos da igreja, é uma situação que nos deixa fora da igreja  e esse movimento foi muito interessante por que nos abraçou de forma total, tanto que eu digo que é tão importante que depois que eu entrei  hoje faço parte da direção do CAE a dois anos como presidente e é um conselho de muita responsabilidade dentro da igreja , hoje estamos inseridos na vida da igreja, o Batistela  é um dos responsáveis pela festa de Santo Antônio, quando, em tempos atrás, antes de entrar nesse movimento, estaríamos ocupando esses cargos” disse Hastimphilo.

Ademir Batistela admite que sentiu-se rejeitado na igreja no período em que esteve separado na primeira união mas lembra que sua atual companheira não era casada e foram “ acolhidos juntos e o fato de não comungarmos não  é problema “. Machado explica que a comunhão do grupo de casais em segunda união é realizada de forma diferente, eles realizam suas celebrações  todo o quarto domingo do mês  quando levam o pão  que é abençoado pelo padre  que é partilhado pelos casais, uma maneira simbólica  de receberem a comunhão, ele reforça que além da volta á igreja, criou-se uma “irmandade” entre os integrantes do grupo finaliza Hastimphilo Machado.

casais segunda união

GRUPO BOM PASTOR: CASAIS EM SEGUNDA UNIÃO

O Grupo Bom Pastor, tem como objetivo o acolhimento e a evangelização dos casais em segunda união, proporcionando-lhes uma caminhada de evangelização e de vida familiar cristã, buscando integrá-los na comunidade paroquial, estimulando-os a participar de atividades, tanto religiosas como sociais, e com isso atender aos apelos e orientações do então  Papa João Paulo II na Exortação Apostólica “Familiaris Consortio”:

 “ajudar os divorciados, procurando, com caridade solícita que eles não se considerem separados da Igreja, devendo, enquanto batizados, participar da vida e da missão da mesma”.

Portanto, o Encontro Com o Bom Pastor, procura apresentar aos casais de segunda união a misericórdia e o AMOR de DEUS, que ama tanto o justo como o pecador, e que está sempre pronto a perdoa.

A quem se destina:Destina-se àqueles  que tendo recebido o Sacramento do Matrimônio na Igreja Católica, se separaram ou se divorciaram, e vivem numa nova união estável.  

O que disse o Papa

Na Exortação Apostólica pos-sinodal “Sacramentum Caritatis” (n.29), de 22/2/2007, o Papa Bento disse: “Nos casos em que surjam legitimamente dúvidas sobre a validade do Matrimônio sacramental contraído, deve fazer-se tudo o que for necessário para verificar o fundamento das mesmas. Há que assegurar, pois, no pleno respeito do direito canônico, a presença no território dos tribunais eclesiásticos, o seu caráter pastoral, a sua atividade correta e pressurosa; é necessário haver, em cada diocese, um número suficiente de pessoas preparadas para o solícito funcionamento dos tribunais eclesiásticos. (…) Enfim, caso não seja reconhecida a nulidade do vínculo matrimonial e se verifiquem condições objetivas que tornam realmente irreversível a convivência, a Igreja encoraja estes fiéis a esforçarem-se por viver a sua relação segundo as exigências da lei de Deus, como amigos, como irmão e irmã; deste modo poderão novamente abeirar-se da mesa eucarística, com os cuidados previstos por uma comprovada prática eclesial.” (SC, 29). (José leal/Folha da Produção).

DiárioRS

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Estação Fitness
  • Vimesq
  • Revista Spelho
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Eficaz
  • Confecções Helenice