Cesurg Sarandi
Follow - Liv - G8 Pub
Cresol Sarandi
Grossi Combustiveis
  • Cresol Sarandi
  • Grossi Combustiveis
  • Follow - Liv - G8 Pub
  • Cesurg Sarandi
  • Sicredi
  • Clínica Estética Vitallitá
  • Restaurante 4 Ases
  • VS Gráfica Expressa
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Casarotto Imóveis
  • Cotrisal
  • Spyder
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • Nina Comunicação Visual
  • Bortoluzzi Odontologia
  • Milani Corretora de Seguros
  • X & Cia
  • ZF Colchões Bio Magistral
  • Rembecker Estruturas Metálicas
  • Gostinho Della
  • Laboratório Sarandi
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Rômulo De Cezaro
  • Barbearia 84
  • Taura Auto Peças
  • Stamp Personalizados
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Home
  • Cidades
  • Sarandi
  • Sarandi - Histórias da neve que parou Sarandi em agosto de 1965

Siga nossa página

Sarandi - Histórias da neve que parou Sarandi em agosto de 1965

Há 48 anos uma grande nevasca , em 1965 , cobriu de branco o Noroeste e o Planalto do Rio Grande do Sul, em algumas cidades a neve chegou a 50 cm conforme relatos da imprensa na época . A maior nevasca ocorrida nos últimos  cem anos na região Sul do Brasil com grande parte do RS e SC cobertas de gelo, perecendo, segundo a imprensa em 1965,” com uma paisagem da Europa Continental “

Nos dias 20 e 21 de agosto de 1965, Sarandi foi coberto de neve, registros fotográficos comprovam  os relatos de quem viveu aqueles dias gelados e que paralisaram Sarandi.  Moradores da cidade e interior tem centenas de historia sobre aqueles dia. Uma historia especial envolveu a família Gelain , lembranças que misturam  surpresa e medo.

Mario Gelain, na época com oito anos, vivia na localidade de Pinhalzinho, interior de Sarandi, com o pai Victor e a mãe Advirges e mais 12 irmãos lembra que por volta das cinco horas do dia 20 de agosto de 1965 sua irmã Olinda acordou os irmãos que estavam  em um galpão distante de casa, na lavoura,  gritando que “ estava caindo penas de galinha do céu”. Mario lembra que deixaram no local a carrroça e ferramentas e voltaram para casa  com muita dificuldade pois a estrada já não era mais identificada devido a neve.

Gelain diz que os bois e porcos tentavam com muita dificuldade  retirar a  neve para encontrar pasto para comer, lembra que até chegar em casa realizavam paradas em baixo das arvores onde ainda não havia neve “ e a gente batia os pés para esquentar e continuar caminhando” . “ Ficamos sem lenha e queimamos rodas de carroça para fazer fogo” lembra ele que acrescenta, “  ficamos três dias trancados em casa, rezando e chorando de medo”.  Mario recorda que o maior medo era  de que o telhado da casa não suportasse o peso de  neva durante a madrugada pois os telhados do paiol, estrebaria e chiqueiros já haviam caído. Ele  diz que á noite o medo era maior pois as arvores não suportavam o peso da neve quebravam fazendo muito barulho e  assustando.

Outra lembrança triste, segundo Gelain, foi a morte de pássaros e outros animais, ele recorda que algumas aves entravam na casa para fugir do frio mas, acrescenta, “a neve foi um remédio para outras coisas, por uns três anos não foram vistos mosquitos, ratos e baratas”. Ele recorda de seu pai Victor e seu caminhão na época com a carroceria cheia de neve(foto), registro que encontrou nos pertences do mesmo após seu falecimento onde também foi encontrado um jornal da época  com as noticias da neve e várias fotos. (José Leal\Folha da Produção).

000012neve 03 1 1

DiárioRS

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique por dentro das notícias da região.

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Estação Fitness
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Vimesq
  • Revista Spelho
  • Confecções Helenice
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Eficaz

 IMG 20191018 WA0174