Cesurg Sarandi
Grossi Combustiveis
Chini Centro Auditivo
Cresol Sarandi
  • Cresol Sarandi
  • Cesurg Sarandi
  • Grossi Combustiveis
  • Chini Centro Auditivo
  • Milani Corretora de Seguros
  • Fornari Advogados Associados
  • Master Informática
  • Cotrisal
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • VS Gráfica Expressa
  • Teloken Engenharia LTDA
  • X & Cia
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Clínica Estética Vitallitá
  • Gostinho Della
  • PróVida
  • Casarotto Imóveis
  • Laboratório Sarandi
  • Barbearia 84
  • Dec´s
  • Consórcio Sarandi
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Taura Auto Peças
  • Rembecker Estruturas Metálicas

Saiba quem são os articuladores nacionais do protesto contra Dilma

Dois dos principais articuladores nacionais dos protestos contra a presidente
Dilma Rousseff são um ex-militante estudantil e um adolescente-prodígio da
internet.

17280513

Coordenadores do Movimento Brasil Livre (MBL), responsável por convocar manifestações em mais de 50 cidades neste domingo e presente em Estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, os dois ativistas se uniram durante a eleição do ano passado com o intuito de combater o PT.

A dupla e mais uma dezena de integrantes da cúpula nacional do recém-criado MBL ocupam um escritório localizado na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, zona central da capital paulista, de onde montam as estratégias de mobilização, fazem contato com as unidades estaduais e concedem um número crescente de entrevistas. O local, segundo eles, é dividido com uma produtora de vídeo por falta de recursos para ter uma sede exclusiva.

Apesar de rumores de que são financiados por grandes empresários, garantem depender de doações feitas via internet e raramente arrecadar mais de R$ 10 mil por mês. Na sede paulista, câmeras e tripés se misturam a cartazes pedindo o impeachment de Dilma Rousseff, adesivos e camisas anti-PT.

Ali, o descendente de japoneses Kim Kataguiri, 19 anos, elabora estratégias para derrubar a presidente do país e planeja vídeos para a internet — uma das especialidades do jovem morador de Santo André que afirma pegar um ônibus, dois metrôs e um trem para ir à capital e voltar ("sou contra a Dilma, mas não sou rico", sustenta). Kataguiri começou a ganhar espaço entre os jovens liberais justamente depois de gravar um depoimento com críticas ao Bolsa-Família.

Manifestações em apoio à Petrobras e a Dilma reúnem milhares em 24 Estados e DF

Em um antigo canal no YouTube, chegou a acumular mais de 2 milhões de visualizações. O desempenho lhe valeu um convite para participar da elaboração de um vídeo em que o comediante Danilo Gentili ironizava a presidente durante a corrida eleitoral do ano passado.

— A gente queria dar um impulso à campanha do Aécio. O vídeo de como seria o Brasil quatro anos depois da reeleição da Dilma foi um sucesso, mas ela ganhou mesmo assim — conta Kataguiri, que abandonou a faculdade de Economia ainda no primeiro ano por achar insatisfatória a qualidade dos professores.

Da articulação com o microempresário Renan Santos, 31 anos, resultou a formação do MBL. Santos é um antigo adversário petista. Na Faculdade de Direito da USP, em meados dos anos 2000, participava da política estudantil com o intuito de afastar simpatizantes do PT do comando do diretório acadêmico.

— Eu combatia o PT dentro da USP. Acabamos conseguindo vencê-los na Faculdade de Direito — conta Santos.

Sob chuva, manifestação defende mandato de Dilma em São Paulo

Depois de formado, se afastou da política até 2013, quando usou a internet para convocar uma manifestação contra o projeto que restringia a capacidade de investigação do Ministério Público. Em seguida, retomaria o antigo projeto de combater o PT. Logo depois da eleição, o MBL convocou a primeira manifestação na Avenida Paulista, quando compareceram cerca de 5 mil pessoas. Agora, sonham reunir 200 mil em São Paulo e 1 milhão em todo o país.

Kataguiri e Santos fazem do impeachment de Dilma sua principal bandeira. Outras organizações antigoverno, como a "Revoltados Online" e a "Vem Pra Rua", têm suas próprias reivindicações e devem dividir espaço na Paulista com o MBL no domingo.A Vem pra Rua é a única que não exige a saída de Dilma.

— Não somos golpistas, golpe é o Mensalão e o Petrolão. Queremos defender o país do golpe, e já há razões para um impeachment — declara Santos.

Segundo os coordenadores do MBL, o que falta é uma clara demonstração popular de repúdio a Dilma. É isso que eles pretendem conquistar no domingo.

Fonte: Zero Hora

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Estação Fitness
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Eficaz
  • Confecções Helenice
  • Revista Spelho