Chini Centro Auditivo
Cesurg Sarandi
Cresol Sarandi
Grossi Combustiveis
  • Chini Centro Auditivo
  • Grossi Combustiveis
  • Cesurg Sarandi
  • Cresol Sarandi
  • Gostinho Della
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • Barbearia 84
  • Casarotto Imóveis
  • Dec´s
  • Milani Corretora de Seguros
  • Clínica Estética Vitallitá
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Taura Auto Peças
  • VS Gráfica Expressa
  • Consórcio Sarandi
  • X & Cia
  • Master Informática
  • Fornari Advogados Associados
  • PróVida
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Laboratório Sarandi
  • Cotrisal
  • Rembecker Estruturas Metálicas

Joaquim Levy diz estar confiante sobre acordo para dívida dos estados

000aarenan levy 7354O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse ontem (30) estar confiante em relação a um acordo para renegociação da dívida dos estados. Ele fez o comentário ao sair de uma reunião de cerca de uma hora com o presidente do Senado, Renan Calheiros.

“Estou muito confiante em um encaminhamento positivo. Há um entendimento generalizado dos entes [públicos]”, declarou Levy.

Apesar de mostrar confiança em relação a um acordo, o ministro informou que os estados terão de fazer concessões, indicando que o projeto de lei aprovado semana passada pela Câmara dos Deputados poderá sofrer ajustes no Senado.

“O importante é todo mundo contribuir para o ajuste. Hoje, a gente tem de vencer essa etapa para já criar as bases para a retomada do crescimento e do emprego. Acho que há cada vez mais convergência nesse entendimento”, acrescentou o ministro.

Atualmente, a dívida dos estados renegociada com a União no fim da década de 90 é corrigida pelo Índice Geral de Preços – Disponibilidade Interna (IGP-DI), mais 6%, 7,5% ou 9% ao ano. Um projeto de lei aprovado ano passado mudou o indexador para a taxa Selic (juros básicos da economia) ou a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mais 4% ao ano, prevalecendo o menor índice.

Como a lei da mudança dos indexadores não foi regulamentada até agora, semana passada a Câmara aprovou um projeto de lei com prazo de 30 dias para o governo federal aplicar os novos índices de correção aos contratos assinados.

A medida teria impacto fiscal de pelo menos R$ 3 bilhões para a União em 2015, ano em que o Ministério da Fazenda está comprometido em obter meta de superávit primário (economia para pagar os juros da dívida pública) de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas no país).

Agência Brasil

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Revista Spelho
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Eficaz
  • Confecções Helenice
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Estação Fitness