Grossi Combustiveis
Follow - Liv - G8 Pub
Cesurg Sarandi
Cresol Sarandi
  • Cresol Sarandi
  • Follow - Liv - G8 Pub
  • Cesurg Sarandi
  • Grossi Combustiveis
  • Sicredi
  • Teloken Engenharia LTDA
  • Cotrisal
  • Clínica Estética Vitallitá
  • Casarotto Imóveis
  • Farmácia Nossa Senhora de Fátima
  • Fornari Advogados Associados
  • Laboratório Sarandi
  • Restaurante 4 Ases
  • Signomar Comércio de Bebidas
  • Gostinho Della
  • Barbearia Da Luz
  • Rembecker Estruturas Metálicas
  • Bortoluzzi Odontologia
  • Drággon Artigos Esportivos
  • Milani Corretora de Seguros
  • Barbearia 84
  • VS Gráfica Expressa
  • Rômulo De Cezaro
  • Taura Auto Peças
  • Parada Obrigatória Consultoria e Assessoria de Multas de Trânsito
  • X & Cia

Siga nossa página

Política - Manifestação pede fim da violência contra mulheres negras

 

Uma passeata hoje (29) em Copacabana, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, protesta contra a violência que atinge as mulheres negras em todo o país. Segundo dados do Atlas da Violência 2018, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a taxa de homicídio de mulheres negras no país é de 5,3 por 100 mil habitantes.

O número é 73% superior ao registrado entre as mulheres não negras, cuja taxa de homicídios é de 3,1 por 100 mil habitantes. Os dados são de 2016. Em dez anos, a taxa de assassinatos de mulheres negras aumentou 15,4%, enquanto entre as não negras caiu 8%. Uma passeata hoje (29) em Copacabana, na zona sul da cidade do Rio de Janeiro, protesta contra a violência que atinge as mulheres negras em todo o país. Segundo dados do Atlas da Violência 2018, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a taxa de homicídio de mulheres negras no país é de 5,3 por 100 mil habitantes.

O número é 73% superior ao registrado entre as mulheres não negras, cuja taxa de homicídios é de 3,1 por 100 mil habitantes. Os dados são de 2016. Em dez anos, a taxa de assassinatos de mulheres negras aumentou 15,4%, enquanto entre as não negras caiu 8%. A Marcha das Mulheres Negras, feita anualmente desde 2015, tem uma pauta com 27 reivindicações, que incluem o fim do feminicídio da mulher negra, a investigação dos casos de violência doméstica, o fim do racismo e sexismo na mídia, o acesso à saúde de qualidade, o fim da violência contra religiões de matrizes africanas e a entrada de mais mulheres no poder.

“A gente vem denunciando isso desde que o mundo é mundo. O Estado brasileiro tem um projeto de execução [morte] do povo preto. E essa execução não se dá só com arma de fogo. Ela se dá quando você não tem saúde, quando você não tem casa, não tem educação, não tem qualidade de vida. A gente está comemorando neste ano os 70 anos da Carta dos Direitos Humanos [da ONU] e a gente está procurando esses direitos humanos até hoje”, disse Clatia Vieira, do Fórum Estadual de Mulheres Negras do Rio, uma das organizadoras da marcha. Segundo Clatia, o assassinato de Marielle Franco, vereadora negra do PSOL carioca, que foi executada a tiros em março deste ano, coloca um peso maior na luta pelos direitos das mulheres negras.

“É claro que a execução da Marielle traz muitos medos para a gente que é militante. A gente tem medo. Mas o medo também traz a coragem, porque a gente precisa viver e sobreviver para cuidar dos nossos. A Marielle fica como um estímulo para a gente dizer que a luta é muito grande. A gente tem uma intervenção racista que não escuta a comunidade negra e que não tem proposta para a gente. Os números só são matar, matar preto

 

tmz abr 29072018 90711

 

Agência Brasil

 

CLIQUE AQUI, curta a Fan Page do site e fique informado sobre as notícias da região.

O DiárioRS não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse, as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

  • Confecções Helenice
  • Eficaz
  • Vimesq
  • SCT Construtora e Incorporadora LTDA
  • Estação Fitness
  • Drago Restaurante e Pizzaria
  • Revista Spelho